NOTÍCIAS

Diferenças da renda fixa e variável

23/01/2019

De acordo com pesquisa realizada pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), 58% dos brasileiros entrevistados não possuem nenhum tipo de investimento.
 
A falta de conhecimento sobre os títulos disponíveis e os processos para investir é uma das principais motivações para este fato. Segundo os dados da mesma pesquisa, 55% dos entrevistados não conhecem os investimentos disponíveis no mercado e não sabem como fazer para aplicar alguma quantia em dinheiro.
 
Porém, o cenário não é somente negativo. Atualmente, é possível encontrar mais informações sobre investimentos do que era disponibilizado na década passada, por exemplo. A internet e as novas plataformas são as principais responsáveis por facilitar o caminho dos brasileiros até melhores formas de investir o dinheiro.
 
Dessa forma, se for realizada uma análise minuciosa, é possível encontrar um movimento tímido, mas crescente de brasileiros que estão investindo. Este fato é comprovado pelos dados tanto de investidores ativos na Bolsa de Valores, principal ambiente de investimentos da renda variável, quanto pelos dados de pessoas que investem na renda fixa.
 
Em outubro de 2018, o número de investidores ativos na Bolsa de Valores superou 750.000, alcançando recordes na casa.
 
Por outro lado, o número de investidores que escolheram a renda fixa também foi alto. O volume de estoque de CDB, título de renda fixa privado, chegou a R$815,5 bilhões em outubr de 2018, número que não era alcançado desde de 2009. O Tesouro Direto também foi muito procurado, em novembro de 2018 já contava com 752.094 investidores ativos.
 
Neste cenário, é importante entender a diferença entre as duas formas de investimento. Como as particularidades de cada uma envolvem características relevantes para os investidores, este conhecimento é essencial para encontrar opções que mais combinam com o objetivo financeiro de cada um.
 
Pode-se dizer que renda fixa é o tipo de investimento em que os investidores podem saber como será a rentabilidade do seu dinheiro no momento de realizar a aplicação. É importante destacar que essa previsão nem sempre é exata.
 
Esse tipo de investimento, normalmente, é procurado por investidores que procuram opções mais conservadoras e com menos riscos, afinal, já é determinada a rentabilidade do investimento.
 
O risco que poderia acontecer, que é da instituição responsável pela emissão do título não arcar com o combinado, não é um problema para a maioria dos investimentos de renda fixa. Alguns dos principais títulos da modalidade, como CDB, LCI e LCA, são assegurados pelo Fundo Garantidor de Créditos, órgão responsável por assegurar que o investidor receba seu dinheiro de volta em caso de falência do emissor, por exemplo.
 
Em contrapartida, a renda variável é um tipo de investimento que a rentabilidade do ativo não é fixada no momento em que o investidor aplica o dinheiro. O ambiente em que acontecem esses investimentos é a Bolsa de Valores, responsável por realizar a integração entre as empresas que disponibilizam seus ativos e investidores interessados em negociá-los.
 
Pode-se dizer que a renda variável é um tipo de investimento mais arriscado, mas que também pode oferecer melhores rendimentos aos investidores. Dessa forma, como o mercado financeiro é volátil, é quase impossível ter certeza sobre a valorização dos ativos e sua rentabilidade na Bolsa de Valores.
 
O risco fica por conta da dinâmica entre oferta e demanda, que pode causar mudanças bruscas no cenário esperado. A boa notícia é que existem formas de suavizar os riscos e garantir que investimentos em renda variável sejam mais seguros.

FONTE: http://www.investimentosenoticias.com.br/noticias/investimentos/renda-fixa-e-variavel-entender-a-diferenca-entre-as-duas-modalidades-e-importante-para-investidores

Entre em contato