CONTEÚDO

Deixe nossos especialistas ajudarem você a montar seu plano de sucesso.
CONVERSE COM UM ESPECIALISTA

7 Dicas para construir uma carteira de ações para longo prazo

19/10/2021

O investimento de longo prazo é importante para quem deseja construir patrimônio e ter mais segurança no futuro. Além disso, pode ser uma forma de diluir os riscos e diminuir o impacto da volatilidade do mercado.
Assim, para alcançar esses resultados, pode ser interessante montar uma carteira de ações para longo prazo. Nesse processo, não basta adquirir os papéis mais negociados ou famosos do mercado. É preciso tomar decisões estratégicas e escolher o que fará mais sentido para a sua realidade e seus objetivos.
Ficou interessado? Neste artigo, você descobrirá 7 dicas para compor uma carteira de ações para longo prazo. Confira!

1. Defina uma estratégia de investimento em ações

Antes de comprar qualquer papel disponível na bolsa de valores, é essencial definir uma estratégia de investimentos. É com base nela que você saberá quais tipos de ativo selecionar e o que é mais interessante considerando as expectativas com o aporte.
Nesse sentido, é necessário pensar, por exemplo, nos objetivos financeiros. Se quiser compor renda passiva no longo prazo, pode ser interessante focar em ações com maior distribuição de dividendos. Também é o caso de avaliar se é melhor investir em ações ordinárias ou preferenciais.
Já se quiser ter a chance de obter uma valorização maior, pode recorrer ao value investing. Nesse cenário, o foco estará em encontrar ações descontadas, ou seja, que são negociadas por um preço menor do que realmente valem.
Ainda, você pode focar em outros tipos de estratégia. Por exemplo, foco em companhias sustentáveis, ações de grandes empresas, negócios com alto potencial de valorização, baixa capitalização (small caps) e outras possibilidades, desde que atendam aos seus objetivos.

2. Realize a análise fundamentalista

Depois de estabelecer uma estratégia, é o momento de encontrar as ações que atendam aos critérios definidos. Aqui, o ideal é realizar uma análise fundamentalista para identificar as características dos papéis e avaliar os fundamentos das empresas.
A justificativa para adotar essa abordagem envolve o fato de companhias com bons fundamentos terem mais chances de ter resultados positivos. Afinal, uma situação financeira e mercadológica favorável tende a atrair mais investidores e valorizar a ação ao longo do tempo.
Para fazer essa análise, é preciso selecionar indicadores fundamentalistas. Eles podem trazer informações sobre os dividendos, o patrimônio líquido, a margem de lucro, o nível de endividamento e outros dados relevantes.
No geral, é indicado avaliar diversos indicadores em conjunto para entender a situação na qual a empresa se encontra. Eles também podem ser usados para comparar negócios do mesmo setor, em busca da melhor alternativa de investimento.

3. Diversifique a carteira de ações

Você já sabe como selecionar as ações para a carteira de longo prazo com base em indicadores fundamentalistas. Porém, na hora de efetivamente escolher os papéis, é interessante focar na diversificação como parte da estratégia.
Então, mesmo que a carteira seja composta apenas por ações, é possível evitar a concentração em ativos com características muito semelhantes. Pode ser interessante focar em mais de um tipo de ação, considerando empresas de diferentes portes, por exemplo.
Também é válido pensar na diversificação em relação aos setores econômicos. Como nem todas as áreas se comportam do mesmo modo, a distribuição de recursos entre os segmentos pode ajudar a diluir o risco e potencializar o rendimento com as ações.

4. Considere fazer aportes mensais

Outro ponto importante para considerar ao escolher os ativos para a carteira é o fato de que esse deve ser apenas o início da estratégia. Após comprar as ações conforme seu planejamento, vale a pena se planejar para realizar aportes mensais.
Desse modo, você pode destinar uma parte do seu orçamento mensal para comprar ações e expandir sua carteira. Também existe a chance de reinvestir os dividendos pagos, quando houver esse tipo de distribuição para os acionistas.
Essa é a maneira mais rápida de ampliar seu patrimônio, o que pode ajudar a conquistar o montante desejado para os seus objetivos.

5. Realize o rebalanceamento da carteira

Outro cuidado importante é acompanhar seus resultados após o aporte e buscar formas de manter o portfólio equilibrado. Esse processo é conhecido como rebalanceamento e é indispensável para adaptar a carteira ao comportamento geral do mercado.
Para fazer o rebalanceamento, você deve avaliar a carteira de ações periodicamente — como a cada semestre ou a cada ano. As ações que tiverem se valorizado representarão um percentual maior, enquanto as que tiverem se desvalorizado perdem espaço no portfólio.
Nesse momento, a ideia é negociar ativos para os novos aportes, considerando os percentuais de alocação desejados conforme tipo de empresa ou setor. Assim, é possível comprar e/ou vender ações para reequilibrar a sua carteira, seguindo a estratégia definida.

6. Considere contar com uma carteira recomendada de ações

Caso esteja em busca de uma alternativa mais prática para investir, é possível selecionar uma carteira recomendada de ações. Esse é um portfólio completo e diversificado, criado por analistas certificados no mercado.
Assim, os profissionais ficam responsáveis por analisar o cenário, identificar as oportunidades e fazer a análise fundamentalista. A partir disso, selecionam ativos de modo diversificado e apresentam os resultados na forma de um relatório aos investidores.
Dessa forma, não é necessário se dedicar a realizar a análise fundamentalista de cada ação, por exemplo. Ao mesmo tempo, é preciso ter atenção. Não há como investir na carteira recomendada de uma só vez, o que significa que você terá que adquirir os ativos individualmente.
Além disso, é importante não misturar recomendações de duas ou mais carteiras. Ainda, é preciso acompanhar as atualizações mensais e fazer o rebalanceamento conforme o previsto. Assim, será possível manter a diversificação e os níveis de risco desejados.

7. Conte com o apoio de uma assessoria de investimentos

Além das dicas anteriores, você pode recorrer a uma assessoria de investimentos para ajudar a compor sua carteira de ações para o longo prazo. Com esse apoio profissional, há a oportunidade de esclarecer diversas dúvidas sobre investimentos.
Por exemplo, o assessor explicará o funcionamento do mercado de ações e fornecerá informações confiáveis que podem ser úteis na composição da sua estratégia. Contudo, vale notar que o profissional não toma decisões por você e nem realiza as operações.
Porém, o suporte da assessoria de investimentos pode ajudá-lo na hora de escolher as ações de longo prazo para o seu portfólio e fazer seus aportes na bolsa.
Conforme você aprendeu, compor uma carteira de ações para o longo prazo pode auxiliá-lo na formação de um patrimônio. Com base nessas 7 dicas, será mais fácil avaliar e selecionar os ativos disponíveis para seguir a sua estratégia de investimentos e atender aos seus objetivos.
Ainda tem dúvidas? Uma assessoria pode fornecer apoio qualificado: entre em contato conosco da Interinvest!