CONTEÚDO

Deixe nossos especialistas ajudarem você a montar seu plano de sucesso.
CONVERSE COM UM ESPECIALISTA

5 Formas de fazer seu planejamento sucessório de forma eficiente!

28/12/2021

Você já pensou no que acontecerá com o seu patrimônio após o seu falecimento? Refletir sobre isso é importante para garantir a continuidade do que você construiu ao longo do tempo, de acordo com os seus interesses. Nesse caso, uma estratégia importante é o planejamento sucessório.
Por meio dele, você consegue determinar como os recursos devem ser divididos entre os herdeiros. Contudo, é preciso utilizar ferramentas reconhecidas para a tarefa, o que também oferece segurança jurídica.
A seguir, descubra quais são 5 formas de elaborar seu planejamento sucessório da maneira esperada!

O que é o planejamento sucessório?

O planejamento sucessório consiste em uma estratégia composta por diversas etapas que buscam prever como o patrimônio deve ser distribuído entre os herdeiros.
Portanto, ao realizar um planejamento desse tipo você define como deve ocorrer a sucessão de bens e direitos. Na prática, ele costuma ser mais voltado para a transmissão após o falecimento. Porém, como você verá, também pode ser feito em vida.

Por que fazer esse planejamento?

A realização de um planejamento sucessório é especialmente importante para garantir que seus interesses e suas vontades sejam atendidos. Isso pode ajudar quanto à continuidade do patrimônio, já que ele será passado aos herdeiros com o processo.
Além disso, essa é uma forma de proteger a família e os beneficiários desejados. No caso da sucessão pensada após o falecimento, é possível amparar os herdeiros com as decisões quanto à distribuição dos recursos.
Ademais, a tomada de decisão antecipada com esse planejamento é um meio de evitar conflito entre as partes. A realização de um inventário judicial para definir a partilha, por exemplo, pode causar disputas e atrasar os pagamentos até a conclusão do processo.
Nesse contexto, o planejamento sucessório familiar se torna especialmente importante. Afinal, ele traz um meio de prevenir problemas futuros, como discussões familiares e sucessivos acionamentos judiciais.

Como fazer um bom planejamento sucessório?

Agora que você sabe como o planejamento sucessório é importante, é preciso reconhecer como ele deve ser realizado. Nesse aspecto, existem passos que devem ser considerados para que você possa criar um plano que realmente faça sentido para a sua realidade.
Na sequência, descubra como é possível elaborar um planejamento sucessório eficiente!

Mapeie o seu patrimônio atual

O primeiro passo consiste em entender como o seu patrimônio atual é composto. Se você investe em ações, tem imóveis e dispõe de outros bens, vale identificar quais deles fazem parte, obrigatoriamente, do inventário.
Assim, é possível compreender como é a sua composição patrimonial, qual é o montante a ser transferido e quais são as necessidades específicas. A partir desse reconhecimento, você sabe, exatamente, o que será distribuído e quais são os limites para dispor do patrimônio.

Selecione os herdeiros e defina as proporções

Após conhecer as condições do patrimônio, vale entender quais são os herdeiros. Entre eles, estão os herdeiros necessários, como cônjuge, ascendentes (pais) e descendentes (filhos e netos).
Por lei, 50% da herança legal deve ser destinada aos herdeiros necessários. O restante pode ser distribuído como você preferir, inclusive entre pessoas sem grau de parentesco. Nesse momento, vale a pena definir quais serão os bens recebidos por cada herdeiro, respeitando os limites legais.

Conheça 5 ferramentas de planejamento sucessório

Ao definir quem são os herdeiros e o que cada um receberá, vale a pena utilizar os instrumentos adequados para a sucessão. A seguir, conheça parte das soluções utilizadas para esse fim!
1. Doação em vida
Como a sucessão não precisa acontecer apenas após o falecimento, existe a chance de realizar doação em vida. Nesse caso, a ideia é fazer a transferência dos bens para o nome do herdeiro de interesse.
Note que podem incidir a cobrança de impostos para operações do tipo entre pessoas físicas. Além disso, é preciso provisionar a metade da herança à qual os herdeiros legais têm direito.
2. Testamento
O testamento é outra ferramenta muito conhecida para o planejamento sucessório. Ele consiste em um documento no qual você pode expressar suas vontades a respeito da transmissão do patrimônio e as condições que serão observadas.
Sobre o inventário, a existência do testamento não extingue a necessidade de realizá-lo. Porém, pode ser mais fácil executar a partilha com base nos interesses que são expressos dessa forma.
3. Seguro de vida
O seguro de vida é um acordo firmado entre você (segurado) e a seguradora. Ele prevê o pagamento da quantia contratada em certas situações, como a morte. Nesse caso, o beneficiário do seguro de vida pode ser qualquer pessoa, não se limitando aos herdeiros necessários.
Além disso, o seguro de vida não integra o inventário e não faz parte da herança. Logo, a liberação dos recursos acontece de maneira mais prática e rápida.
4. Previdência Privada
No âmbito dos investimentos, há como recorrer a uma possibilidade para facilitar o planejamento sucessório: a Previdência Privada. Esse é um investimento dividido em duas etapas: acumulação e usufruto.
Em um primeiro momento, a ideia é realizar aportes regulares para garantir a composição de patrimônio por meio de um fundo de investimento. Após determinado período, há o recebimento de recursos em parcelas ou de uma só vez.
No caso do falecimento, a Previdência Privada pode ser paga a beneficiários definidos no contrato. Enquanto outros investimentos compõem o inventário, os planos de Previdência não são incluídos no processo — o que facilita a liberação.
5. Holding familiar
Outro instrumento para o planejamento sucessório é a holding familiar. A ideia é criar uma empresa controladora do patrimônio da família. Assim, é possível realizar operações de investimento, centralizar pagamentos e administrar melhor os recursos.
A holding familiar também pode ajudar a diminuir legalmente os impostos devidos. Desse modo, é possível aproveitar uma melhoria nos resultados obtidos com investimentos e reduzir os encargos na sucessão.

Conte com ajuda qualificada

Você já aprendeu que, para executar o planejamento sucessório, é preciso ter estratégia e conhecimento sobre as alternativas para esse objetivo. Assim, também é preciso conhecer as opções de investimento disponíveis mercado.
Nesse sentido, vale a pena buscar apoio de profissionais do mercado financeiro para orientar a sua tomada de decisão. Recorrer a uma assessoria de investimentos, por exemplo, pode ser útil para identificar as alternativas de investimento e suas regras para avaliar o que é adequado para o seu patrimônio.
Também é possível ter auxílio de uma equipe qualificada — como planejadores financeiros — para criar um plano completo voltado para a sucessão. Com isso, há mais chances de elaborar uma estratégia que faça sentido para o que você pretende alcançar.
Conhecendo mais sobre o planejamento sucessório, é possível notar a sua importância. Desse modo, contar com a ajuda dessas 5 ferramentas permite a você compor um plano robusto e alinhado com as suas necessidades.
Gostou deste artigo? Se quiser apoio profissional e qualificado no momento de fazer seus aportes, entre em contato conosco da InterInvest!